top of page
Blog Advocacia Médica.webp
  • Foto do escritorMarina Mangaravite

Recusa terapêutica: Direitos e Cuidados

A recusa terapêutica é um direito do paciente, mas há cuidados a serem tomados para garantir que ela seja exercida sem causar riscos jurídicos ao médico ou a unidade de saúde, conforme estabelece as normas éticas estabelecidas na Resolução CFM nº2232/2019.


Veja como proceder:


Informação e a recusa terapêutica


O médico deve informar ao paciente todos os riscos e consequências da recusa terapêutica e sugerir outra opção de tratamento. Em alguns casos, o médico não pode aceitar a recusa terapêutica, como no caso de menor de idade ou adulto com capacidade cognitiva comprometida.



Procedimento em caso de recusa terapêutica


Se o paciente adulto, orientado, lúcido e consciente ainda optar pela recusa terapêutica, após o registro por escrito perante duas testemunhas, o médico deve registrar a opção de recusa no prontuário do paciente e encaminhar o ocorrido ao diretor técnico do estabelecimento de saúde, que comunicará às autoridades.


Comunicação do Conselho Regional de Medicina


No caso de atendimento em consultório, o médico pode comunicar o Conselho Regional de Medicina, além de registrar no prontuário. O médico também pode se recusar a prestar atendimento diante da recusa terapêutica, desde que encaminhe o caso à diretoria do estabelecimento de saúde e garanta a continuidade do tratamento por outro profissional.


Tratamentos de urgência e emergência


As regras para recusa terapêutica não se aplicam a tratamentos de urgência e emergência, apenas aos tratamentos eletivos.


Exemplos de casos específicos em que a recusa terapêutica não é autorizada

  • Quando o paciente é menor de idade

  • Quando o paciente adulto tem capacidade cognitiva comprometida

  • Quando o paciente tem uma doença transmissível ou que coloque a saúde de terceiros em risco.

Conclusão


A recusa terapêutica é um direito do paciente, mas é importante que o médico informe sobre os riscos e consequências dessa decisão e sugira outra opção de tratamento. O médico deve seguir um procedimento adequado em caso de recusa terapêutica, registrar no prontuário do paciente e comunicar às autoridades quando necessário. É importante lembrar que as regras para recusa terapêutica não se aplicam a tratamentos de urgência e emergência.


Dra. Marina Fonseca Mangaravite – É advogada sócia da Mangaravite Advocacia Médica, especialista em Direito Médico, pós-graduada em Direito Médico pela PUC/MG – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e é formada em Direito pela Faculdade de Direito de Vitória –FDV. É membro da Comissão de Direito Médico e da Saúde da OAB/ES.



留言


bottom of page